Marco entre o dia e a noite (outtakes)

Corpo nu espaço
Negro e belo
Como o cair da noite
E quem disse que o negrume não possue beleza e poesia?
Corpo só nu espaço
Disponível
Receptível
O negrume que com sutil pinceladas reelabora as narrativas de ser e estar.
Corpo negro
Que transborda
Que transgride
Que transita
Corpo sensível, poeta, que diz, que traduz, que induz que seduz
Corpo preto
Que deseja
Que sonha
Que se rebela
Um corpo nu e só…
Forte, fraco
Antagônico
Porém completo

Texto e estrela: Marco Antonio Fera

Vestido: Casaqueto

Fotos não selecionadas na DAIMAG.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

AlphaOmega Captcha Classica  –  Enter Security Code